quinta-feira, janeiro 19, 2017

Pesticidas versus Abelhas


Um estudo norte-americano concluiu que as abelhas, quando regressam à colmeia, podem transportar até 30 pesticidas no corpo. O estudo refere ainda que pelo menos metade destes pesticidas tem origem em hortas e ambientes urbanos.
Foto de acto de polinização em Colares/Sintra em 18/01/2017
"A utilização destes pesticidas é diversa. Em ambientes urbanos são usados sobretudo no combate a insectos ou no controlo de parasitas em animais domésticos, refere o El País.
Não é novidade para a comunidade científica que a população de abelhas tem estado cada vez mais em declínio. Só nos Estados Unidos, no ano passado, cerca de 44% das abelhas desapareceram. Este número pode revelar-se catastrófico se tivermos em conta o papel determinante que estes animais têm no ecossistema enquanto elemento polinizador, importante para setores como a agricultura.
Apesar das causas deste declínio não serem claras, há quem aponte a existência de vírus, as alterações climáticas e os pesticidas agrícolas como as principais razões, ou mesmo uma combinação de todos estes factores. O estudo publicado na revistaNature Communicationsveio agora revelar a presença de agentes químicos no pólen recolhido pelas abelhas."
Texto encontrado aqui:

http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/gracas-a-polinizacao-as-abelhas-podem-transportar-ate-30-pesticidas-no-corpo

terça-feira, janeiro 17, 2017

Contributo para o Diário da Garça da Várzea de Colares em 2017

Nem só de peixe se alimenta a Garça
Garça116012017dblog.jpg
Na horta junto ao rio da Maçãs, talvez por falta de peixe ou preguiça, nada melhor que apanhar minhocas, ou mesmo uma qualquer lagartixa.
Garça116012017blog.jpg
Fotos em 16 de Janeiro de 2017 na Várzea de Colares
Garça116012017Bblog.jpg
Algum tempo de espera em atitude de caça...e aguardar a oportunidade de "pescar" uma lagartixa
Garça116012017cblog.jpg
http://riodasmacas.blogspot.pt/search?q=Contributos+para+o+Di%C3%A1rio+da+Gar%C3%A7a+da+V%C3%A1rzea+de+Colares

segunda-feira, janeiro 16, 2017

Maria Almira Medina

1920 -2016 - 18 de Janeiro

No próximo dia 18, fará um ano que Sintra perdeu Maria Almira Medina,artista multifacetada, deixou um vazio no ambiente cultural  Sintrense - que dificilmente será preenchido nos nossos dias.


"Pés vegetais descobriram caminhos/longitudinais /Logo troncos arbóreos verticalizaram os sonhos /de navegação verde / na busca de muitas outras Indias mais."

In O Chalet da Condessa numa manhã de Março- Maria Almira Medina

Na visita que foi feita ao Chalet em 2008, Maria Almira Medina declamando um poema feito de propósito para aquele momento
No Jornal de Sintra 13-08-1939
"Maria Almira Medina
Completou com plena aprovação, o curso dos Liceus, fazendo em Lisboa, no Filipa de Lencastre, o exame do 7º ano e depois na Faculdade de Letras da Universidade, o respectivo exame de admissão, a aplicada  estudante, que tem sido sempre desde a instrução primária, aluna da ilustre professora de Sintra Srª D. Umbelinda lourenço Pinheiro, menina Maria Almira Pedrosa Medina, filha muito querida do director deste jornal, de que é também colaboradora."
Maria Almira Medina e um conjunto vasto de poetas populares, na celebração dos 35 anos do 25 de Abril de 1974 , aconteceu na União Mucifalense com poesia e canções de Zeca Afonso, em Abril de 2009.

domingo, janeiro 15, 2017

Pássaros de Colares

 Ensombram a ribeira/ e o verde da seara/ e passam pela eira/ em que o sol se pousara/ nas gotas do orvalho/ luarento e vacilante/ refrescam o cansaço/e dormem um instante.(...)

In "Pássaros do Sul"- Mafalda Veiga
passaro15012017blog.jpg
Fotos em 15 de Janeiro de 2017, no Mucifal/Colares
passaro15012017cblog.jpg
Aves no Mucifal, hoje, aproveitando o belo dia de Sol de Inverno
passaro15012017bblog.jpg

sábado, janeiro 14, 2017

Colares nos passeios de William Beckford (reedição)


Vista de Colares a partir do Castelo

"Segui pela estrada de Colares, e senti no ar uma suavidade e uma fragância deliciosa. Uns chuveiros que tinham caído, refrescaram toda a superfície dos campos, e coloriram de púrpura e de verde alcantis para  lá da Penha Verde, porque a numerosa família das urzes achava-se em plena florescência, e os pequenos prados, com os seus curvos e torcidos sobreiros, tão numerosos à beira dos caminhos, estão agora cobertos de grande lírios brancos, matizados de  cravos."

William Beckford /Correspondência 1787

Photobucket
Sobreiros de Monserrate de onde nunca foi retirada a cortiça

*A construção do Palácio do bispo D.Dinis ter-se-á, iniciado em 1620
Diniz de Melo e Castro, nasceu em Colares, onde viveu largos anos. Morreu em Lisboa, em 24 de Novembro de 1640.Bispo de Viseu (1638) ,Guarda e Leiria, de que tomou posse em 11 de Dezembro de 1627.fundou a casa da Câmara e a Misericórdia de Colares .Obteve o domínio do arruinado castelo, fazendo construir sobre ele a sua casa.
`*

**A construção do Palácio dos Melo e Castro, em Colares, ter-se-á, por ventura, iniciado em cerca de 1620. O facto de se terem detectado alguns elementos pétreos manuelinos avulsos permitem supor que o edifício seiscentista se terá desenvolvido a partir de uma estrutura preexistente, nomeadamente segundo uma tradição historiográfica da Casa da Câmara, a qual, por sua vez, teria aproveitado a antiga alcazaba do hoje desaparecido castelo muçulmano.

Posts relacionados:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2009/04/o-castelo-de-colares.html

http://riodasmacas.blogspot.pt/2009/04/o-castelo-de-colares-ii.html

sexta-feira, janeiro 13, 2017

A estrada velha de Colares e o Marquês de Pombal

 Estrada que liga a Vila velha de Sintra a Colares, é sem dúvida um dos mais bonitos caminhos da Serra de Sintra. Devido à riqueza arquitectónica dos inúmeros palácios e das quintas que a circundam.O lugar da Eugaria ,é um dos locais servido pela estrada antes da chegada a Colares término deste percurso. Lugar onde também Alfredo Keil tinha uma habitação.(Casal da Serrana).

Tem esta estrada mais de 240 anos, construída no tempo de Marquês de Pombal e Conde de Oeiras, Sebastião José de Carvalho e Melo. Primeiro Ministro de D.José.

(Foto:Pedro Macieira)

Excerto de documento existente no Arquivo Histórico de Sintra.
“Copia de Avizo que no anno de 1773 foi ao provedor de Torre Vedras para auxiliar Bento Dias na abertura da estrada pello caminho da Serra de Sintra e Collares.
Sendo prezente a El rey Meu Senhor a petição incluza de Bento Dias Pereira Chaves reprezentando a incapacida.e , e ruina em que actualm.te se achão os Caminhos da Villa de Collares e a grande utilid.e que se seguirá aos moradores da mesma Villa , e a extracção dos seus fructos, de se ampliar, e abrir huma boa estrada pello caminho da Serra............ (..)
Deos G.de a V.M.ª Oeiras 18 de Setembro de 1773
Marquês de Pombal”


(Foto: Pedro Macieira)
Ainda hoje muito utilizada , não só pela beleza do cenário que se desfruta neste percurso, mas ainda uma via de circulação de grande utilidade nos acessos de e para Sintra.