quarta-feira, setembro 12, 2007

Fonte dos Passarinhos, no Parque da Pena

Fonte dos Passarinhos
Pavilhão erigido em 1853, inspirado na cultura árabe. De base octogonal, encimado por uma cúpula esférica, apresenta uma inscrição em árabe, na qual se alude à grandiosidade da obra de D. Fernando, comparando-a à de D. Manuel I. Os azulejos e diversos elementos decorativos neo-mouriscos, pontuam o parque de elementos exóticos e orientalizantes, próprios da gramática decorativa do Romantismo.

Texto da PSML

Pavilhão de estilo islâmico.Cúpula esférica com inscrição em árabe. Os azulejos são semelhantes aos da fachada principal do Palácio da Pena.
-Mais informação sobre a Fonte dos Passarinhos-aqui


3 comentários:

greentea disse...

num documentário que vi à hora do almoço falava-se dos grous quase extintos no Japãp há uns tempos atrás. Uma senhora começou a dar de comer a um casalque em pleno inverno lhe apareceu, com tudo cobertyo de neve. Hoje andam por lá perto de 300 e ela tem agora 80 anos mas todos os dias lhes leva um carro de comida que distribui à mão cheia...

carlos freitas disse...

Caro Pedro: Como deve ter subentendido Sintra fez parte da minha infância, eu que vivi na Parede durante todos os anos 60, dela saindo em 72 para Coimbra. Afastei-me das minhas raizes faz muito tempo, o seu blog tem me fornecido as referências (históricas e paisagísticas) que hoje me são imprescindíveis para um dias destes retornar e agora compreender aquilo que em criança desfrutei sem conhecer.
Um Abraço

pedro macieira disse...

Carlos Freitas
A serra de Sintra acompanha-me desde pequeno, agora estou mais próximo, antes era sómente o recorte da serra com o Palácio no seu cimo que marcava a sua presença.
O blogue permite-me estar sempre a descobrir Sintra.E Sintra é uma fonte permanente de descobertas, de histórias de pessoas e lugares.É um sítio que tem serra, um rico património monumental,uma história riquissima, tem um extenso litoral banhado pelo atlântico, zonas rurais, e está a 30 Kilómetros de Lisboa.
Por isto tudo cada vez mais gosto de Sintra. E esta forma de intervir que tem dado alguns pequenos resultados, permite-me ter voz naquilo que penso que é importante para a defender.
Um abraço