quarta-feira, novembro 28, 2007

Colocar o Chalet da Condessa d’Edla de novo no mapa do Parque da Pena

Na última reunião do grupo de cidadãos que apoia o restauro do Chalet da Condessa d’Edla, que decorreu no passado dia 13 na Escola Profissional Alda Brandão, em Colares,( assunto já referido no “Rio das Maçãs” em 15 de Novembro último), foi decidido solicitar aos PSML, o reconhecimento deste grupo, com o objectivo de melhor acompanhamento do processo de restauro,com inicío aprazado para a próxima Primavera.

Aguardando algum sinal por parte da PSML, sobre a pretensão deste grupo de cidadãos, seria interessante que os PSML voltassem a colocar no mapa que é entregue aos visitantes do Palácio e do Parque da Pena - o Chalet da Condessa, como primeiro passo para o conhecimento público daquela parte do Parque cuja informação aos visitantes foi indevidamente apagada.

O estado actual do Chalet da Condessa


O mapa incompleto do Parque da Pena
Alguns locais que o mapa não indica(aproveitando a informação do blogue Serra de Sintra) :
O Chalet da Condessa e os jardins adjacentes, a Abegoaria, as Estufas da Feteira da Condessa, a belíssima ponte e as construções adjacentes (também na Feteira), o Alto do Chá e as construções que nele se situam, o Lago de Cascais (não muito longe do Lago da Preta)...
O mapa distribuído aos visitantes do Parque e Palácio da Pena




3 comentários:

Anónimo disse...

Gostei das fotografias que publica em que vemos o chão do Chalet já limpo dos escombros do incêndio que por ali ficaram acumulados e pisados, desde o incêndio em Julho de 1999, antes da constituição da P.S.M.L..

O engº. Louro Alves que esteve presente na reunião do dia 13 de Novembro utilizou a expressão «acender “A CHAMA” Chalet da Condessa» que me pareceu muito feliz.

Para esse efeito é muito importante que o mapa distribuído aos visitantes inclua a totalidade do Parque, com a localização do Chalet e de todos os outros locais com interesse, pois, de outro modo, além daqueles que o conhecem, poucas pessoas conseguirão encontrá-lo sem se perderem.

Não resisto a escrever aquilo que estou a pensar: se isto tivesse acontecido no tempo do “consulado” Serra Lopes não faltariam vozes “protestantes” por aí.
ereis

fernandomoraisgomes disse...

Caro Pedro Macieira,obrigado pelo post esclarecedor.Efectivamente é por um parque na totalidade da sua oferta e valências que se deve pugnar.

pedro macieira disse...

ereis/fernandomoraisgomes,

Acho que a gestão do Parque da Pena em particular, tem de ser feita considerando que aquele património que a PSML herdou recentemente, pertence a Sintra há muito tempo, e tem uma história que deve ser respeitada. Não podem os gestores de passagem por aquele lugar, tomarem decisões que choquem com o sentido da herança que alguém decidiu oferecer-lhes.A importância dos movimentos de cidadãos é pressionarem estes “poderes” de forma a que se sintam “vigiados”, e terem alguns cuidados na gestão da coisa pública.

O poder dos grupos de pressão é limitado, mas é possivel criar em volta um movimento de consciência pública ,que obrigue ao diálogo.

Neste caso mesmo antes de se criar uma discussão alargada e pública, sobre o que fazer , um dia ao espaço do Chalet- é mais importante divulgar o local onde as pessoas que visitam o Parque o podem encontrar. Esse para mim será a primeira vitória, após o fundo da EFTA, ter sido atribuído a Sintra.
Quanto ao resto será a próxima etapa.
Abraços