terça-feira, abril 22, 2014

Os trabalhos das Abelhas

 Foto.zangão em visita a Colares

O aumento da mortalidade das abelhas requer "medidas urgentes" avisa o Parlamento Europeu


O Parlamento Europeu (PE) lançou um alerta em 2011,quanto à necessidade de “medidas urgentes” no controlo da morte das abelhas, que tem vindo a aumentar, o que pode ter grandes impactos na agricultura.
O comunicado vem no seguimento do relatório aprovado pela Comissão Europeia, que alerta para o “impacto negativo profundo na agricultura, na produção e segurança alimentares” que poderá representar o aumento da taxa de mortalidade das abelhas na União Europeia (UE).
De acordo com o comunicado, 76% da produção alimentar e 84% das espécies vegetais da UE dependem da polinização das abelhas. O argumento é do PE, que lança várias propostas à Comissão Europeia para o bem da biodiversidade, da sustentabilidade ambiental e dos ecossistemas. Os apelos mais prementes prendem-se com o apoio à investigação para prevenção e controlo de doenças que vitimam as abelhas e com a atribuição de mais recursos financeiros à apicultura.

Fonte.Público
 http://www.publico.pt/sociedade/noticia/aumento-da-mortalidade-das-abelhas-requer-medidas-urgentes-dizem-eurodeputados-1521061




Foto. Abelha em actividade  em Colares


Os trabalhos do zangão

O zangão  é o macho das diversas espécies de abelhas sociais, especialmente da abelha-europeia. Caracteriza-se pelo porte superior às obreiras e pela ausência de ferrão.Numa incursão a Colares possibilitou-nos registar alguns momentos da sua  veloz actividade de polinização

*Fotos de um zangão numa doce flor em Colares 20/04/2014




A única função dos zangões é a fecundação das rainhas virgens. O zangão é o único macho da colméia, não possui ferrão e, nasce de ovos não fecundados depositados pela rainha.

Por não possuir órgãos de trabalho, o zangão não faz outra coisa a não ser voar à procura de uma rainha virgem para fecundá-la.

Os zangões nascem 24 dias após a postura do ovo e atingem a maturidade sexual aos 12 dias de vida. Vivem de 80 a 90 dias e dependem única e exclusivamente das abelhas operárias para sobreviver: são alimentados por elas, e por elas são expulsos da colméia nos períodos de falta de alimento - normalmente no outono e no inverno - morrendo de fome e frio.
Quase duas vezes maiores do que as operárias, a presença de zangões numa colméia é sinal de que a colónia está em franco desenvolvimento e de que há alimento em abundância.
Apesar de não possuir órgães de defesa ou de trabalho, o zangão é dotado de aparelhos sensitivos excepcionais: pode identificar, pelo olfacto ou pela visão, rainhas virgens a dez quilómetros de distâncias.
Os zangões costumam agrupar-se em determinados pontos próximos às colméias onde ficam a espera de rainhas virgens. Quando descobrem a princesa partem todos em perseguição à rainha, para copular em pleno vôo, o que acontece sempre acima dos 11 metros de altura. No vôo nupcial, uma média de oito a dez zangões conseguem realizar a façanha - exatamente os mais fortes e vigorosos. Mas eles pagam um preço alto pela proeza: após a cópula, seu órgão genital é rompido, ficando preso a câmara do ferrão da rainha. Logo após, o zangão morre.
Fonte:
Zangão


3 comentários:

Nuno Saraiva disse...

Já algum tempo que tenho comentado com colegas o problema das abelhas (que o Pedro colocou aqui).

Há grupos de cientistas muito preocupados com a redução drástica que a população mundial de abelhas tem tido.

Parecem ser ignorados pelo resto da comunidade cientifica e vai acontecer como o buraco de ozono. Daqui a uns anos o desaparecimento é irreversível e não há nada a fazer...

pedro macieira disse...

Nuno Saraiva,
É realmente preocupante e muito negativo para a biodiversidade a redução que já acontece com as abelhas. A Greenpeace tem neste momento uma petição a correr sobre o assunto (no Facebook). Os efeitos são um desastre para a alimentação humana relativamente aos frutos e vegetais.Quando era pequeno no Verão observava com frequência pirilampos, nos últimos anos deixei de os ver - também as borboletas existem em muito menor número...por este caminho o futuro no planeta ( que é único), está cada vez mais em perigo.
Abraço

pedro macieira disse...

Petição da GreenPeace em defesa das abelhas:
Over 4,000 vegetables in Europe alone depend on the essential work of bees and other pollinators.

But currently, more and more bees are dying. The bee decline affects mankind too. Our lives depend on theirs.

#SaveTheBees --->
http://sos-bees.org/#petition