sábado, agosto 12, 2017

Sobre o Castelo dos Mouros

Fonte do texto: "Sintra património da Humanidade"no site da CMS

Acerca das origens do denominado Castelo dos Mouros – construído num rochoso pico da agreste serrania, sobranceiro à Vila de Sintra – pouco se sabe. Ainda que alguns autores remontem a sua fundação ao período visigótico, as primeiras provas documentais reportam-se já à época de plena ocupação muçulmana, concretamente ao século XI. Todavia, será lícito concluir que a edificação do Castelo se tenha verificado anteriormente, talvez no século IX


.Em 1093, D. Afonso VI, Rei de Leão, tomou Sintra aos muçulmanos; dezasseis anos volvidos, Sigurd, príncipe norueguês, saqueou o castelo dos Mouros, que os muçulmanos entretanto haviam recuperado. Também, por essa altura e por breve tempo, o conde D. Henrique o possuiu. No entanto, em 1147, após a conquista de Lisboa levada a cabo por D. Afonso Henriques, o castelo entregou-se voluntária e definitivamente aos cristãos.
D. Afonso Henriques confiou então a guarda da fortaleza a "trinta povoadores", que não eram mais do que uma mera guarnição, aos quais foram concedidos privilégios através de carta de foral, outorgada pelo próprio Rei, em 1154.(...)

Nos finais de quatrocentos, apenas habitavam o sítio do castelo alguns judeus, que aí permaneciam, segregados da comunidade, por ordem régia.
D. Manuel I extinguiu os "grupo minoritários" e, na sequência dessa atitude, o Castelo dos Mouros despovoou-se por completo. Abandonada, a fortaleza sentiu a implacável passagem do tempo e foi-se arruinando. Estado que se agravou «(...) por causa do terramoto de 1755 (...); a maior parte dos muros deste Castello se demoliu em muitas partes» (Memórias Paroquiais, 1758). No século XIX, D. Fernando II aforou a velha fortaleza e procedeu ao seu restauro integral.
.

2 comentários:

luis Costa disse...

Penso que a data 1903 deve ser corrigida para 1093.

pedro macieira disse...

Caro Luis Costa, Agradeço a correcção, pois foi um lapso, que já está devidamente corrigido.
Cumprimentos e o meu obrigado.
Pedro Macieira