quarta-feira, janeiro 31, 2018

A Lua e o Sol em Colares

Hoje  dia da Super Lua, o céu enevoado deste lado da serra de Sintra, não permitiu registos mais interessantes deste fenómeno.

Pôr do Sol em Colares
O Sol transfigurado em Lua, pretendeu chamar para si as atenções do final do dia.

terça-feira, janeiro 30, 2018

Abate de árvores no PNSC - 2º round

Visita hoje ao PNSC - troço da Lagoa Azul até à Peninha
Novas marcações - acordo ICNF e CMS?
Sobre os abates:
"Na Assembleia Municipal de Sintra, o BE (10/11/2017), questionou o presidente da autarquia sobre o processo, tendo Basílio Horta (PS) afirmado que "não consentiria que acontecesse qualquer abate para além das 60 árvores" que a câmara identificara como passíveis de corte, por estarem mortas ou constituírem perigo.
O autarca deu conhecimento, em junho, ao ministro da Agricultura e Florestas que, da avaliação dos serviços municipais às árvores marcadas para corte, "só em apenas 43 foi possível identificar sinais de problemas estruturais ou fitossanitários enquadráveis nos pressupostos de segurança invocados pelo ICNF".
Na avaliação dos serviços de ambiente municipais constam, entre pinheiros, ciprestes e acácias, 27 árvores mortas, dez com grande inclinação, cinco com sinais claros de decrepitude e uma com evidência de fungos.
Perante este quadro, Basílio Horta concedeu que "poderão existir mais algumas (poucas) árvores" que sejam "justificadamente incluídas no eventual abate, embora o seu número total sempre se situará muito aquém das 1.350 árvores inicialmente marcadas".
"As bermas das estradas devem ser limpas e removidas as árvores efetivamente doentes. Porém, por maioria de razão, cuidar da floresta em zona Património da Humanidade tem de ser feito em articulação dos serviços especializados com o município e as associações", defendem os deputados do BE.
Uma intervenção que os parlamentares 'bloquistas', na pergunta ao Governo, advogaram ser indispensável decorrer "com rigor, segurança e valorizando as espécies autóctones e a biodiversidade".
A agência Lusa questionou o ICNF e o Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, mas não obteve resposta até ao momento."
Ver aqui:
https://www.dn.pt/lusa/interior/be-questiona-governo-sobre-corte-de-arvores-em-sintra-cascais-8908808.html
Fotos de hoje no Parque Natural Sintra Cascais
Pinheiros jovens também marcados
Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2017/11/bloco-de-esquerda-questionou-o-governo_23.html

O estado da "arte"

Os semáforos de Galamares
O tempo passa e os semáforos lá continuam. No local nenhum vestígio de alguém (Infraestruturas de Portugal, CMS, o proprietário do muro que caíu) iniciar as obras, para evitar o transtorno que está a causar aquela derrocada -  já há dois meses na Estrada Nacional 247.

segunda-feira, janeiro 29, 2018

A caminho da Super Lua de dia 31

Foto de ontem em Colares

A Lua vai surgir no próximo dia 31 como não acontece desde 1982, uma segunda Super Lua do mês de janeiro que será obscurecida por um eclipse total, visível apenas na Austrália e na Ásia.
Segundo a agência espacial dos Estados Unidos NASA, será o primeiro eclipse lunar total do ano, uma circunstância que se repetirá no dia 27 de julho, mas esta ocasião é única porque será a segunda Super Lua do mês de janeiro.
Durante uma Super Lua, o astro aparece com um diâmetro até 14% maior e 30% mais brilhante.
In TVI online

sábado, janeiro 27, 2018

Momentos do 54º Aniversário dos Diamantes Negros

Os Diamantes Negros fizeram hoje a festa do 54º Aniversário.
Um almoço e uma reunião de amigos, foi a ementa
Os Parabéns a você...foi um momento de festa
E a celebração da Música não podia faltar.
Notas sobre os Diamantes:
Em 1966 foi editado o seu único EP (Alvorada AEP 60781)

"-Em 1968, os DIAMANTES NEGROS assinalaram o seu 4º aniversário com uma festa em que participaram também os Sheiks, Ekos.Snobs, Flyers e os 6 de Portugal.
-Também em 1968 venceram o II Festival da Costa do Sol 
Foram os seus fundadores:
Caínhas (bateria), Álvaro Zé (guitarra), Carlinhos (Sax) , Xixó (guitarra) e Luís Manuel (baixo). Outros:Victor Ricardo (manager), Carlos Rebelo (vocalista), Júlio Ribeiro (vocalista), Henrique Max (vocalista), "Charly" (bateria), Francisco Martins (vocalista), Camena (guitarra), Tó Gândara (guitarra), Carvalho (guitarra), Augusto (teclas), Reinaldo Nunes (guitarra e voz), Jaime (baixo e voz), Freitas (trompete) e Álvaro (sax)."

"Os primeiros acordes musicais dos Diamantes Negros terão  mais de 54 anos, quando dois meninos, Álvaro José Silvestre e Carlos José Santos (Caínhas), davam autênticos concertos de harmónica no espaço real do Palácio Nacional de Sintra. E, foi aí que começaram a navegar nas ondas da musicalidade ainda que, logo de imediato mudassem de instrumentos. O Álvaro José para viola baixo e o Caínhas para bateria."
Fonte "Diamantes Negros

Porque hoje é Sábado...


Idílio

Lírica, a tarde cai
Com secura nas folhas;
Lírica, a minha vista vai
A olhar o que tu olhas...

Oliveiras de sonho
A ver nascer a lua...
Liricamente ponho
A minha mão na tua.

Miguel Torga in Diário I (1941)

Fotos de Oliveiras em Vila de Frades e Montemor-o-Novo

sexta-feira, janeiro 26, 2018

Postal dos Correios

O primeiro distribuidor de correspondência em Portugal que se conhece terá sido em 1520, no reinado de D.Manuel I, e a primeira mala posta começou a funcionar em 1798 e apenas entre Lisboa e Coimbra - quatro séculos depois, um governo PSD/CDS, decide desmantelar uma rede postal e entregar o serviço até agora público dos Correios a privados.

 O Correio em Portugal durante o longo percurso da sua existência tem inúmeros factos históricos relevantes -hoje mencionamos um relacionado com o grande actor Chaby Pinheiro, e o Palácio da Pena.

caixacorreio´
Caixa de Correio na Misericórdia da Vila Velha de Sintra

Chaby Pinheiro e os Correios e Telégrafos

Em 1891, Chaby Pinheiro era nomeado oficialmente aspirante auxiliar dos Correios e Telégrafos  .Entretanto o bichinho do teatro que o corroía, começou a desenvolver-se. Chaby já representava  e bem, nos Teatros Taborda, do Aljube e até no Teatro do Conde  de Farrobo, instalado no Palácio das Laranjeiras, como amador.
Na altura em que a família real passava a estação calmosa no  palácio da Pena, em Sintra, com eles seguiam também todos os Verões, três funcionários dos  Correios e, assim enquanto os soberanos lá permaneciam funcionava no Palácio da Pena uma Estação Telégrafo-Postal.
Por interferência do então Chefe da Estação dos Correios e Telégrafos das Necessidades. terá conseguido que Chaby Pinheiro fosse requisitado – depois de uma intervenção do Conde de Sabugosa, Mordomo-mór de D.Carlos, para o serviço  dos Correios no Palácio da Pena.
O Rei e Chaby depressa chegaram à fala e concretizaram um conhecimento bem estreitado pelo amor ao teatro que ambos possuiam. Eram pessoas cultas e de grande gentileza que se entendiam, sendo os três meses da deslocação dos melhores tempo de vida do genial actor.

Fonte:  "Estes Correios que eu amo" de Amândio Nunes Monteiro


009_ChabyPinheiro
Nasceu a 12 de Janeiro de 1873, em Lisboa, e faleceu no Algueirão a 6 de Dezembro de 1933.
Homem culto e de grande inteligência, começou desde cedo a privar com a intelectualidade do seu tempo. Nesse grupo de amigos destacavam-se Fialho de Almeida, Marcelino Mesquita, Rafael Bordalo Pinheiro, Júlio Dantas e Manuel Penteado entre outros, nas áreas da Arte, Literatura e Jornalismo.
No campo teatral, desdobrou-se nas áreas da representação, da encenação, da declamação e do professorado (foi professor do Conservatório Nacional), tendo ainda conhecido a actividade de empresário.
Em 1933, estando a convalescer na sua casa no Algueirão, o barbeiro de lá, seu amigo pessoal e que era da direcção do Clube de Mem Martins, pede-lhe para que ele  lá  vá, recitar algo, a fim de aumentar o público. E na verdade, tal aconteceu.
No dia da festa, lá estava Chaby Pinheiro. Recebido pela assistência, quando se iniciava para recitar, foi acometido pelos primeiros sintomas da congestão cerebral, que o vitimou.
Três dias depois o actor faleceu.
O clube acima citado, foi, desde há muito, baptizado com o nome de Cine-Teatro Chaby em memória deste grande actor sedeado em Mem Martins. A avenida onde o Cine-Teatro se encontra situado liga Mem Martins a Sintra e possui também o nome do actor.
('Para uma história do teatro no concelho de Sintra' REIS Luciano, 2001)

quinta-feira, janeiro 25, 2018

Diamantes Negros - 54 anos a dar-nos música!









Luis, Jaime ,Xixó


Caínhas,Jaime

"Estávamos em Janeiro do ano de 1964. Era presidente da  Sociedade União Sintrense José Lima Magalhães,(antigo guarda redes do Hockey Club de Sintra, Campeão do Mundo e da Europa) e é na sala da SUS que se estreia um novo conjunto musical: os DIAMANTES NEGROS.

Na sua primeira apresentação no dia 25 de Janeiro de 1964, a constituição dos DIAMANTES NEGROS era a seguinte:
Carlos José Paulo Santos (Caínhas) -Álvaro José Silvestre, Carlos Alberto Rodrigues e Carlos Henriques, (Xixó).

Em 1966, já os DIAMANTES NEGROS tocavam no famoso Baile das Camélias o “She loves You”.
Nesses anos, também no Palácio de Valenças, eram entregues os prémios do Rally das Camélias, sempre organizado pelo 
" Clube Arte e Sport", que trazia às noites de Sintra milhares de adeptos daquele desporto motorizado, onde por diversas vezes os DIAMANTES NEGROS estiveram presentes."

*Reedição de um texto com a  inestimável colaboração de Caínhas



A formação dos Diamantes  em 2011

quarta-feira, janeiro 24, 2018

Uma paragem do Eléctrico não programada

Hoje durante a tarde, algo correu mal ao eléctrico nº1. Deduzimos que não acontecia no momento transporte de passageiros.
Fotos na rotunda de acesso à Praia Grande

Postal de Almoçageme (reedição)

Postal antigo com foto de António Passaporte

 Miguel Esteves Cardoso, no jornal "Público" de 20/03/2014:
http://www.publico.pt/sociedade/noticia/almocageme-1628866

"Almoçageme

A nossa terra devolve-nos ao tempo que é o nosso.
Em Almoçageme as fantasias são tratadas com doses terapêuticas de caridade. O espírito da aldeia – a bondade e a sabedoria em pessoa – é a Maria, casada com o senhor Amorim do Café Moínho Verde. Ela é energia; inteligência e generosidade. É um ser superior que gosta dos outros: é ela que trata dos pombos do largo, dos gatos, dos cães e de todos os outros bichos que têm mais azar do que nós.

As pessoas de Almoçageme são boas amigas da verdade. Odeiam a hipocrisia e a conversa de chacha. Dizem o que lhes vai na alma. Mas falam sempre com empatia; com delicadeza perante os recém-chegados, como nós.

As conversas que ouço são sempre lições amistosas: ensinam-me a ser humano. O sentido de humor é magnífico: a Dona Palmira, uma senhora que encontro no Eles e Elas do Senhor Cesaltino e da Dona Ana, é uma maravilha constante.

Esta aldeia é uma aldeia a sério. Ensina-nos a viver. Não exclui os que cá chegam. Aprende-se a dar valor à vida. Já não é pouco. É mais.

Ontem a Maria ralhou comigo por dizer mal do mês de Março que tinha mudado para frio e cinzento, afirmando com a razão dos séculos e da ciência, que "o mês de Março é mesmo assim".

É verdade que falta muito Março; que ainda vem aí Abril e que Maio nunca é tão bom como se pensa.

A nossa terra devolve-nos (reúne-nos, se alguma vez estivéssemos ligados) ao tempo que é o nosso.

Nós agradecemos. É a nossa sorte vivermos em Almoçageme. Morarmos cá é uma reles questão secundária.

Obrigados, Almoçageme!"


 Postal dos anos 60

segunda-feira, janeiro 22, 2018

Farol do Cabo da Roca - depois da tormenta a bonança?

Foto em 22/01/2018
Depois  da tempestade ANA, ter resolvido o escândalo da instalação de uma torre metálica com 45 metros junto ao farol  (22m) em 2013,  sem que os vários poderes (muitos), quebrassem os seus silêncios ou tomassem qualquer atitude. Temos de novo o "nosso" farol com a imagem que deveria ter tido sempre. Vamos pensar que não se cometem duas vezes o mesmo erro  

Foto em 22/01/2018
O Suplemento “Fugas” do jornal Público de Agosto de 2008, publicou um interessante artigo sobre as “Luzes que acendem a costa e o Mar”, fazendo uma selecção dos faróis mais emblemáticos do território nacional. O cabo da Roca não poderia deixar de estar presente, não só devido à sua posição geográfica, e também pela beleza do local onde se encontra. (zona protegida do Parque Natural Sintra-Cascais, e sendo Sintra a paisagem de Sintra, Património Mundial atribuido pela UNESCO)


Foto em 22/01/2018
Cabo da Roca
“É sem dúvida, um dos mais emblemáticos da costa portuguesa.
O Farol do Cabo da Roca está situado no ponto mais ocidental da Europa Continental – no cabo com o mesmo nome, no concelho de Sintra - e, uma vez que se encontra 165 metros acima do nível do mar, oferece uma magnífica panorâmica sobre o Oceano Atlântico, bem como sobre a belíssima paisagem que o rodeia.
A crer no que dizem os fâs do Cabo da Roca, assim que se acende a luz do farol o local passa a gozar de um ambiente ainda mais encantador.
A luz que é emitida a apartir do alto da torre quadrangular de 22 metros tem, actualmente, um alcance de 26 milhas (cerca de 48 quilómetros).
Há mais motivos que justificam a inclusão do Farol do Cabo da Roca na lista de faróis de visita obrigatória em Portugal Continental. É que este é também um dos faróis mais antigos da costa portuguesa, integrando o leque de seis que foram mandados construir por alvará pombalino, em 1758. A sua conclusão e entrada em funcionamento concretizaram-se em 1772,”
In Fugas - Agosto 2008
Post relacionado:
http://riodasmacas.blogspot.pt/2017/12/psm-l-de-novo-vencedora-do-world-travel.html

No tempo do Rally das Camélias

Foto da Revista Motor nº12

 Voltamos hoje a recorrer ao baú das memórias para recordar o mítico Rally das Camélias. Prova automobilística que fazia acorrer a Sintra nos anos 70 e 80, milhares de adeptos, para admirar durante toda a noite a passagem dos bólides, por pontos cruciais da prova: o salto de S.Pedro, a rampa da Pena, a Peninha...
Capa da Revista Motor nº72 de 19 de Fevereiro de 1976

A capa da Revista Motor, tem como título "Um Rallye sem Camélias", que o justifica porque  as Camélias "já não o são, ou que tenham sido as últimas! Por diversas razões: desde o desprezo da autarquia de Sintra em relação a um do seus mais coloridos cartazes de promoção à ausência quase total das nossas grande vedetas de uma prova, que durante vários anos foi uma clássica do automobilismo nacional" -talvez as razões para que a prova deixasse de se realizar.










Giovanni Salvi/João N.silva-Datsun 240z -Peninha- XVII Rally das Camélias,1972 (Fotos:PedroMacieira)





António C.Oliveira/ Barata
Datsun 240Z,Grupo 3-4-5
XVII Rally das Camélias,1972







GiovaniSalvi/João N.Silva

Jornal "Motor" de 23 Março de 1972

Nota:Reedição actualizada de post publicado no Rio das Maçãs em Janeiro 2007

Revista Motor de 19 de Fevereiro de 1976
Fotos  numa passagem do Rally pelas Azenhas do Mar, nos anos 70
Embora sem grande qualidade, fica o testemunho do Rally das Camélias, numa passagem pelas Azenhas do Mar.

 Um Rally das Camélias  (3º), mas de automóveis antigos realizado em 2007.

No momento em que em Sintra decorre um Rally de carros clássicos, denominado Rally "As Camélias de Sintra", 

 *A seguir a "Rampa da Pena".

domingo, janeiro 21, 2018

Região Demarcada de Colares



Região Demarcada
Colares, reclinada sobre duas colinas da Serra de Sintra, é região demarcada desde 1908.A carta de Lei de 1908 reconhecendo Colares como vinho de tipo regional, foi o diploma que criou a região demarcada, património de elevado grau de raridade, senão único, em todo o mundo vitícola.

A região está confinada a uma zona de terrenos de areia solta da era terciária, assente sobre uma zona argilosa do cretáceo, que em tempos recuados se admite ter sido pertença do mar e onde as videiras desenvolvem as suas raízes.

A área geográfica correspondente à Denominação de Origem "Colares" compreende as freguesias de Colares, São Martinho e São João das Lampas.

in Sintra Capital do Romantismo 



Colares-Região Demarcada há mais de  um Século!

"A casta  característica e dominante  que produz o inimitável vinho de Colares é o Ramisco que não foi efectada pelo ataque da Filoxera no fim do século XIX, em virtude de os seus terrenos arenosos, não terem permitido a penetração do insecto."
Fonte :Revista de Vinhos nº154 Set.2002

RamiscoAdega2012Blogue
“A região demarcada fundada pelo Rei D.Manuel II, através de Carta de lei de 18 de Setembro de 1908, a Região Demarcada de Colares é uma das mais antigas do País e, seguramente, aquela que corre maior risco de extinção no panorama vitivinícola nacional. Nos dias que correm a produção da região é basicamente dominada por duas entidades: a Adega Regional de Colares e a Fundação Oriente.Todavia subsistem ainda alguns produtores isolados que, a seu belo prazer, fazem nas suas adegas o “vinho ramisco” para consumo próprio.

Falamos de uma área total a rondar 20 hectares , onde o maior produtor isolado é sem margem de dúvidas,a Fundação Oriente. Quanto à Adega regional de Colares, como entidade cooperativa que é, congrega praticamente a totalidade dos pequenos produtores da região (cerca de 40) cuja produção varia entre os 20 e os 1000 quilos de uva da denominação de origem Colares, entregues por associado.

sábado, janeiro 20, 2018

Porque hoje é Sábado...

Um texto de 2012, do amigo Fernando Louro:

"JOSE FERNANDES BADAJOZ - Nasceu a 16 de Agosto de 1920 na pequena aldeia do Mucifal, que se tornou bem mais conhecida a partir da década de 40, graças á sua voz, aos seus versos e á popularidade alcançada pelo próprio poeta - O POETA CAVADOR.
Muitos dos teus amigos ainda hoje te recordam num constante "Elogio ao Campo". A muitos de nós ajudaste a descobrir através da "Bela Vista" que Sintra era uma "Terra de Encantos". A muitos ensinaste cantando, que o "Ramisquinho" era um vinho divinal com tanta pureza como não havia outro igual. Ainda hoje quando andamos pelas ruas do Mucifal sabemos que não encontraremos "A Pastorinha" mas que podemos estar junto á casa onde a "Maria Bela" se punha á janela ou onde morou "A santa velhinha" que tantas vezes junto á "Capelinha" contou "A Lenda cantarinha". Isto tudo e muito mais cantaste "Neste palco pequenino" chamado Mucifal.
Meu querido Poeta Cavador da minha terra, não te esqueceremos. Mesmo não havendo hoje, já muitos no campo a labutar como cantavas, não deixaremos de ter orgulho da tua vida atribulada, a puxar pela enxada desde manhã ao sol-pôr. Haverá para ti sempre um aplauso comovido para os muitos "versos singelos feitos á tua terra natal, um dos cantinhos mais belos de Portugal".
Obrigado José Fernandes."





quinta-feira, janeiro 18, 2018

Mar revolto na Costa

Mindelo, na Praia das Maçãs, hoje com vagas alterosas - mas o Oceano  sempre belo, em todo o seu esplendor.
Dia de Sol de Inverno, neste início de 2018
Fotos em 18/01/2018